Há exatos 26 anos caía o Muro de Berlim. E a Alemanha ainda continua dividida.

Hoje, dia 9 de novembro, completa-se 26 anos da queda do Muro de Berlim. Símbolo da Guerra Fria e da ocupação alemã no pós-guerra, o muro dividiu a capital em duas, enquanto fronteiras espalhadas por todo país separavam as Alemanhas Ocidental (oeste) e Oriental (leste).

A queda do muro, no entanto, não representou o fim das diferenças entre os alemães do lado leste e os do lado oeste. Pelo contrário, as diferenças podem ser vistas até hoje.  E do espaço.

395174_berlin_separado_espacio_20130219105307

A imagem acima, fotografada em 2012, foi capturada pelo astronauta André Kuipers, da Estação Espacial Internacional. É possível notar uma clara divisão na tonalidade das luzes reluzentes de Berlim.

Segundo o departamento de desenvolvimento urbano, o lado leste tem usado lâmpadas de vapor sódico na iluminação pública, enquanto os ocidentais usam lâmpadas fluorescentes de mercúrio ou gás. De acordo com Daniela Augenstein, porta-voz do departamento, pressões levaram o governo ocidental a buscar medidas mais sustentáveis e eficientes energeticamente e, portanto, as lâmpadas fluorescentes, mais eficientes, começaram a substituir as velhas de sódio nos postes. Entretanto, como tais pressões não existiram do outro lado do muro, o governo soviético, responsável pela administração da região, continuou empregando as lâmpadas mais obsoletas. E isso persiste até hoje, décadas após a queda do muro.

Falando em sustentabilidade, dados recentes mostram que a produção de lixo na região da antiga Alemanha Oriental é menor que no resto do país.

Screen-Shot-2014-10-31-at-06.24.39
Lixo produzido por cidadão. Fonte: The Washington Post

Não se sabe ao certo o motivo disso. Segundo o Washington Post, os subsequentes problemas de distribuição de alimentos e a escassez dos mais diversos produtos nas prateleiras do lado soviético podem ter criado uma cultura de consumir somente o necessário, algo que persiste até hoje.

Outra hipótese é a própria renda per capita, que ainda hoje é menor na parte leste.

income
Renda per capita. Fonte: zeit.de

Com a reunificação alemã, houve um “choque de capitalismo” nas empresas socialistas e muitas faliram em decorrência da ineficiência. Boa parte da economia da parte oriental não se recuperou até o momento e diversas áreas ainda sofrem com altas taxas de desemprego.

Screen-Shot-2014-10-31-at-06.20.43
Taxa de desemprego. Fonte: The Washington Post

Muitos alemães orientais também não possuem carro de passeio. As taxas de carros de passeio por 100 mil habitantes variam entre 31 e 49 na região, enquanto do outro lado do país muitas áreas apresentam índices acima dos 105.

vehicles
Veículos de passeio. Fonte: zeit.de

Até na religião as diferenças são evidentes. Um estudo recente chamado “Beliefs about God across Time and Countries“, divulgado pela NORC da University of Chicago, constatou que 52,1% dos moradores do leste identificam-se como ateus, em comparação com 10,3% da região oeste. A pesquisa foi incapaz de encontrar uma única pessoa com idade inferior a 28 anos no leste da Alemanha que acreditasse em Deus.

Map-of-atheism-in-Germany-the-divide-between-east-and-west

Além dos péssimos índices econômicos, a parte leste ainda tem sido palco de um curioso avanço do partido neo-nazista NPD. Ainda que as votações na legenda sejam insignificantes para mudar a estrutura política do país, a maioria dos votos são dos habitantes da parte oriental.

Junto com esse apoio massivo aos grupos radicais, a região do entorno de Berlim também apresenta um clima hostil a imigrantes. Dados mostram que a maior parte dos estrangeiros que vivem atualmente na Alemanha, ou estão em Berlim ou em alguma cidade da parte ocidental.

Screen-Shot-2014-10-31-at-06.22.50
Proporção de estrangeiros em relação à população total.

Ironicamente, mesmo com maior apoio a partidos tidos como de “extrema-direita”, a população da parte Oriental tende a acreditar mais na ideia do socialismo que seus companheiros ocidentais.

pesquisa
O socialismo é uma boa ideia? Fonte: Zeit.de

De acordo com uma pesquisa conduzida pelo Zeit.de, o ideal socialista tem aceitação de 73% da população antes sob tutela da União Soviética. Do outro lado do antigo muro, a aceitação hoje permanece em torno de 46%. Entretanto, é interessante notar que houve uma fuga em massa dos jovens da parte socialista para o capitalismo após a queda do muro, em busca de melhores condições de vida.

Hoje, a faixa etária média na região oriental fica entre 45 e 48 anos, enquanto na parte ocidental, varia entre 39 e 43 anos, em média, como mostra o mapa abaixo:

average age
Idade média. Fonte: zeit.de

Outro fator que contribuiu para tornar a Alemanha Oriental mais velha foi uma queda na taxa de natalidade logo após a derrubada do muro:

desktop
Taxa de natalidade. Fonte: zeit.de

As mudanças culturais provocadas pela União Soviética sobreviveram à queda do muro. Enquanto no lado capitalista as mulheres costumavam trabalhar como donas de casa, no lado socialista muitas engajaram em atividades fora do lar. Consequentemente, diversas creches foram construídas para acolherem as crianças enquanto as mães batiam cartão.

O hábito está presente até hoje na região. Enquanto na parte oeste existem grandes áreas onde sequer 16% das crianças estão sob cuidados de terceiros, ao leste os números variam entre 53% e 63%.

day care
Percentagem de crianças com menos de dois anos em cuidado de terceiros. Fonte: zeit.de

Outro reflexo da socialização dos meios de produção que permanece até hoje entre os orientais é a presença de latifúndios.

Como as fazendas foram coletivizadas, a propriedade individual rural praticamente desapareceu e as pequenas propriedades foram fundidas em grandes extensões de terra, que eram gerenciados por grupos de fazendeiros. Apesar disso, 25 anos de capitalismo ainda não foram suficientes para reverter a situação e o latifúndio continua presente em praticamente toda a Alemanha Oriental.

agriculture
Tamanho médio das fazendas em hectares Fonte: zeit.de

Bolacha ou biscoito? Plaste ou plastik? Fleischer, metzger ou schlachter? Historicamente o alemão foi uma língua divida, com várias palavras com um mesmo significado (similar ao bolacha vs biscoito). A divisão da Alemanha após a Segunda Guerra, no entanto, contribuiu ainda mais para a diversidade linguística. É possível notar como a Alemanha Oriental tende a usar certas palavras em detrimento de outras, assim como na parte Ocidental.

word

A palavra açougueiro, por exemplo, é um caso ainda mais curioso. Hoje existem 3 termos em alemão para designar a palavra. Enquanto a área que ficou sob influência soviética optou por fleischer, a região mais próxima da área que permaneceu sob domínio inglês (mais ao norte) preferiu schlachter e as cidades que estiveram controladas pelos Estados Unidos e a França usam o termo metzger. Quase uma sopa de letrinhas.

word2

Por fim, é interessante notar que a divisão atrapalhou até mesmo os esportes. Não existe, por exemplo, nenhum time de futebol na primeira divisão da Bundesliga que represente a parte leste do país. Até mesmo durante a Copa do Mundo, a antiga Alemanha Oriental esteve mal representada: dos 24 jogadores convocados para seleção, apenas um, Toni Kroos tinha origem no leste alemão.

desktop (1)

Ainda que existam disparidades, a antiga Alemanha Oriental está experimentando uma fase de crescimento – e mesmo que numa taxa menor que seus vizinhos ao oeste (em 2010 a média de crescimento foi de 1,1% vs 1,5%), o capitalismo finalmente chegou depois de décadas de controle centralizado através do nazismo e do socialismo. Algumas empresas de tecnologia começaram a investir nas cidades do leste em busca de mão de obra barata e de talentos ainda não descobertos.

Talvez sejam necessários mais alguns anos até que a situação se normalize. Talvez as disparidades nunca sumam. Mas acima de tudo, uma coisa é certa: seus cidadãos agora dispõem do bem mais valioso de todos, a liberdade. O muro da vergonha virou pó.