No Brasil, uma nova modalidade de militância nasce: obras públicas que homenageiam líderes socialistas

Publicidade

Já imaginou morar numa Avenida Adolf Hitler? Estudar numa Escola Estadual Benito Mussolini? Fazer uma consulta num Hospital Estadual Augusto Pinochet? Bancar um festival integralmente dedicado à propagação do fascismo?

Parece absurdo, não? No Brasil, no entanto, nada disso soa estranho às autoridades quando os personagens totalitários em questão são ligados à extrema-esquerda.

Cada vez mais comuns, entopem de norte a sul do país, ruas e avenidas, hospitais e escolas públicas, praças e monumentos, que quando não homenageiam o socialismo em si, fazem ode a diferentes lideranças socialistas – e entre eles, alguns dos maiores ditadores que o mundo já conheceu.

Não há uma lei nacional que proíba menção a ditadores em monumentos e espaços públicos brasileiros. Mas não são raros os projetos municipais que visam banir – de forma correta – homenagens públicas a figuras da ditadura militar brasileira. Como diz Rogério Sottil, secretário-adjunto de Fernando Haddad em São Paulo, essas medidas visam dar fim “a homenagens a símbolos do autoritarismo estatal nos espaços de nossa cidade”.

Até o momento, no entanto, homenagens a líderes totalitários ligados à extrema-esquerda não estão comovendo as autoridades a manter as mesmas posições. E, acredite: elas são cada vez mais comuns.

1) A revolução será cartografada.

2015-816635171-2015051480679-jpg_20150514

O que não faltam no Brasil são ruas em homenagem ao socialismo.

Há uma Rua Socialista em Diadema (SP), em São Paulo (SP) e em Macapá (AP).

Há uma Rua Fidel Castro em Fortaleza (CE), em Feira de Santana (BA), em Delmiro Gouveia (AL) e em Parauapebas (PA).

Há uma Rua Carlos Marighella  em Salvador (BA), em Campina Grande (PB), em Recife (PE), em Maricá (RJ), em Porto Alegre (RS), em Blumenau (SC), em São Paulo (SP), em São Bernardo do Campo (SP) e em Ribeirão Preto (SP).

Há uma Rua Karl Marx em São Paulo (SP), em Diadema (SP), em Sapiranga (RS), em Cabo Frio (RJ), em Ferraz de Vasconcelos (SP), em Mauá (SP), em Criciúma (SC) e em Maracanaú (CE) – há também uma Rua Friedrich Engels em Criciúma (SC).

Publicidade

Há uma Rua Lênin em Diadema (SP), em São José dos Campos (SP), em Porto Alegre (RS) e em Belo Horizonte (MG).

Em Serra, no Espírito Santo, a Rua Lênin faz cruzamento com a Rua Trostki. Em Paulista, Pernambuco, a Rua União Soviética cruza com a Rua Alemanha Oriental.

Em Belém, capital do Pará, há uma Rua Revolução Cubana, uma Rua Bolchevique, uma Rua Marx, uma Rua Carlos Marighella e uma Rua Democracia Operária.

 também uma Rua Josef Stálin, em São Gonçalo do Amarante, no Rio Grande do Norte, e uma Rua Mao Tse Tung, em Serra, no Espírito Santo – onde se estabelece um monumento no mínimo curioso: a Igreja Imaculado Coração De Maria, templo de uma religião duramente perseguida pela Revolução Cultural chinesa.

Já pensou uma sinagoga numa Rua Adolf Hitler? Não duvide. Isso definitivamente seria possível no Brasil.

 2) A Vila Socialista

rua-do-socialismo-cientifico

Em Diadema, a revolução tomou as esquinas. Há referências à esquerda para todos os gostos. Todas vizinhas umas às outras num bairro conhecido como Vila Socialista.

Num canto muito pobre do Brasil, completamente abandonado pelo poder público, elas se espremem como podem: Rua Bolchevik, Rua da Revolução, Rua dos Sovietes, Rua dos Operários, Rua Cuba Livre, Rua do Socialismo Científico (imagem acima), Rua dos Proletários, Rua dos Sindicalistas, Rua da Resistência, Rua da Conquista Popular, Rua dos Camaradas, Rua dos Revolucionários, Rua dos Comunistas, Rua do Manifesto, Rua Leon Trotsky, Rua Vladimir Lenin, Rua Karl Marx, Rua Engels e Rua Carlos Lamarca.

A origem é proletária. As ruas são estreitas. As casas são simples e verticais. O bairro nasceu após ocupações realizadas no início da década de noventa. Os moradores tinham duas opções: Vila Socialista ou Vale do Rio Doce. Não pensaram duas vezes.

Entre as críticas mais comuns dos moradores, dois dos maiores problemas que qualquer periferia brasileira está acostumada a lidar: a sujeira nas ruas e a falta de policiamento.

“Tem muito assalto por aqui. Eu mesma já fui assaltada seis vezes”, conta Zina Oliveira, uma comerciante de 49 anos.

O problema é endêmico, mas um tanto irônico. Na Vila Socialista, comerciantes ainda protestam em oposição à violência contra suas propriedades privadas.

3) Quando um ditador vira referência para salvar vidas.

che

Che Guevara é provavelmente o grande ícone da esquerda latino-americana. No Brasil, não haveria de ser diferente. Há ruas em sua homenagem em todos os cantos do país: em Diadema (SP), em Belém (PA), em Cachoeirinha (RS), em Paulista (PE), em Caruaru (PE), em Vitória da Conquista (BA), em Eunápolis (BA), em Cariacica (ES), em Serra (ES), em Santa Maria (RS), em Pelotas (RS), no Rio de Janeiro (RJ), em Sumaré (SP), em São José do Rio Preto (SP), em Campinas (SP), em Canoas (RS), em Ponta Grossa (PR), em Curitiba (PR), em Blumenau (SC), em Criciúma (SC), em Sapucaia do Sul (RS), em Patos de Minas (MG), em Ananindeua (PA), em Goiânia (GO) e em Caxias do Sul (RS).

Em Porto Velho, a capital de Rondônia, há uma Rua Che Guevara no Bairro Socialista (mapa abaixo). Há também um bairro inteiro chamado Che Guevara na cidade de Marituba, no Pará, e uma praça em sua homenagem em Porto Alegre e em Belo Horizonte.

Che ainda homenageia unidades públicas de saúde em Ribeirão Preto (SP), em Angatuba (SP), em Niterói (RJ) e em Umbauba (SE).

No Brasil, El Carnicero de La Cabaña virou referência para salvar vidas.

4) Quando o dinheiro público banca uma utopia ideológica.

festivalutopia

É em Maricá (RJ), no entanto, que Che Guevara recebeu sua maior homenagem em solo tupiniquim: a construção do Hospital Municipal Dr. Ernesto Che Guevara, um complexo de 38 mil metros quadrados, avaliado em R$40 milhões e com previsão de entrega para o segundo semestre desse ano.

A referência vem gerando polêmica, com protestos e abaixo-assinados contrários à homenagem. A Prefeitura se justifica dizendo que compreende o direito à crítica mas que defende a homenagem ao Carnicero de La Cabaña pela “contribuição à luta por um atendimento humanizado e universal – um desejo que transcende fronteiras – dada por este importante médico sanitarista, personagem eterno na história política internacional”. Na cidade há também um conjunto habitacional do Minha Casa Minha Vida chamado Residencial Carlos Marighella.

20192349990_6991ddf92a_b

Governada pelo prefeito Washington Quaquá, presidente estadual do PT no Rio de Janeiro, Maricá entrou no noticiário político nacional há pouco tempo, quando grampos de uma conversa com o ex-presidente Lula, revelaram a opinião do prefeito do Rio, Eduardo Paes, sobre a cidade: “uma merda de lugar”.

Eleito prefeito de Maricá pelo PT pela primeira vez em 2008, Quaquá foi reeleito em 2012, acusado de usar os programas sociais da Prefeitura para alavancar sua campanha. Em 2013, foi condenado pela Justiça Eleitoral por abuso do poder político e conduta vedada a agente público. Não foi, no entanto, cassado pelo Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro, que optou por torná-lo inelegível por oito anos.

dscn0001-fileminimizer

Há poucos meses, Quaquá, o prefeito com apelido de deboche, colocou Maricá novamente no noticiário político ao bancar R$ 4 milhões dos cofres públicos com um evento de propagação a ideias socialistas – o 1º Festival Internacional da Utopia – que acabou se tornando um grande ato em defesa da então presidente afastada Dilma Rousseff.

Construído para discutir alternativas ao capitalismo, seguindo a linha do Fórum Social Mundial, o festival de Maricá reuniu com destaque artistas e figuras políticas intimamente ligados ao PT: Lula, João Pedro Stédile (líder do MST), Eduardo Suplicy, Jandira Feghali, Vagner Freitas (líder da CUT), Guilherme Boulos (líder do MTST), Pablo Capilé (líder do Mídia Ninja), Wadih Damous, Dilma Rousseff, e ainda Racionais MC’s, Flávio Renegado, Chico César, Beth Carvalho, Tico Santa Cruz, Emicida e Aleida Guevara (filha de Che Guevara).

Em aberto no festival, discussões como o “financiamento de mídias progressistas”, a “resistência ao projeto neoliberal”, “a importância dos bancos públicos na redução das desigualdades sociais”, “a esquerda diante do avanço conservador na América Latina”, a defesa “da Petrobrás como motor de desenvolvimento nacional” e a Lei Rouanet como alternativa “para o financiamento à cultura”.

Um ode à utopia ideológica bancado integralmente pelos pagadores de impostos de todas as orientações políticas.

5) Educação militante

25239055075_f1c2d2ef62_b

Se são constantes as denúncias envolvendo doutrinação ideológica na educação brasileira, não faltam exemplos de escolas públicas espalhadas pelo país que homenageiam líderes socialistas.

Há escolas em homenagem a Che Guevara em Mesquita (RJ), em Monte Do Carmo (TO), no Rio de Janeiro (RJ), em Tanguará da Serra (MT), em Nova Esperança do Piriá (PA), em Santo Amaro (BA), em Pedro Canário(ES), em Vitória da Conquista (BA) e em Herval (RS).

Há uma escola em homenagem a Carlos Marighella em Salvador (BA), em São Gonçalo (RJ) e em Marabá (PA).

Há uma Escola Estadual Simon Bolivar e uma Escola Estadual Vila Socialista, em Diadema (SP).

Há uma Escola Mao Tsé Tung em Boa Vista do Tupim (BA).

Por fim, em Medeiros Neto, na Bahia, já há até uma Escola Municipal Comandante Hugo Chávez.

6) Ele homenageou socialistas na construção de escolas municipais. E foi condenado a 10 anos de prisão por desviar dinheiro de merenda.

cheescola

Canguaretama é uma pequena cidade no Rio Grande do Norte com pouco mais de 30 mil habitantes. Por lá, Jurandir Freire Marinho, do PDT, realizou seu grande trunfo na vida pública – como prefeito, ergueu três escolas municipais: a Comandante Fidel Castro, a Comandante Ernesto Che Guevara e a Libertador Simón Bolívar.

Na Escola de Tempo Integral Comandante Fidel, que fica na BR-101, duas estátuas, uma do próprio Fidel e outra de Che Guevara, dão o ar da sua graça logo na entrada. A Folha de São Paulo foi ao local e perguntou aos alunos quem foram o argentino Che Guevara, o venezuelano Simón Bolívar e o cubano Fidel Castro. Ninguém se arriscou a dizer.

Marinho, no entanto, usou dessas obras para tentar criar um verdadeiro feudo político. Após dois mandatos em Canguaretama, se candidatou a prefeito de Pedro Velho (a 88 km da capital) e tentou emplacar a mulher, Fátima Marinho, também do PDT, na Prefeitura de Baía Formosa (106 km de Natal). Fátima foi sua secretária da Ação Social, em Canguaretama. Antes disso, ainda conseguiu eleger a filha, Gesane Marinho, do mesmo PDT, deputada estadual do Rio Grande do Norte, sem qualquer experiência política.

Sua história com as escolas que construiu, no entanto, não terminam na propaganda política. Em 2013, Marinho foi condenado a dez anos e dois meses de prisão por ter simulado procedimentos licitatórios para a compra de merenda escolar.

De acordo com a denúncia do Ministério Público, o Município de Canguaretama recebeu do Ministério da Educação a quantia de R$ 392.707 para a aquisição de merenda escolar. Marinho realizou diversos procedimentos licitatórios, em espaços curtos de tempo, na modalidade convite, fracionando as aquisições para evitar a licitação na modalidade tomada de preços. Em todos os procedimentos saiu vencedora a mesma empresa: a Fernandes e Teixeira LTDA., que pertence ao empresário João Alberto Teixeira da Silva, acusado de fraudar os contratos, elevando os itens contratados.

Em sua defesa, Marinho disse que não entendia de procedimentos licitatórios.

O Índice de Desenvolvimento Humano de Canguaretama (0,579) é menor que o do Timor Leste, da Síria, da República do Congo e de Zâmbia.

crowbanner-1